A ideia defendida pelo Brasil de que as medidas cautelares emitidas pela CIDH teriam apenas caráter recomendatório revela uma posição que deve ser esclarecida e questionada.

Preocupam notícias veiculadas no Jornal o Estado de São Paulo (quatro de dezembro de 2011) de que o Brasil teria deixado de pagar em 2011 sua quota anual à OEA.

O Brasil deve cumprir suas obrigações orçamentárias e preservar a autonomia e independência da Comissão Interamericana dos Direitos Humanos - CIDH. Para o funcionamento eficaz do sistema Interamericano dos Direitos Humanos, é fundamental que a Comissão também tenha recursos suficientes para seu mandato de proteção.

A ideia defendida pelo Brasil de que as medidas cautelares emitidas pela CIDH teriam apenas caráter recomendatório revela uma posição que deve ser esclarecida e questionada.

A CIDH não pode ser reduzida a uma dimensão apenas técnica ou consultiva. Ela desempenha um papel fundamental na proteção das vítimas de violações de direitos humanos e deve ter sua independência garantida, mesmo quando suas recomendações contrariem os interesses dos Estados.

Situações de urgência exigem medidas cautelares e a competência da CIDH em emiti-las deve ser fortalecida.

Ao examinar casos individuais e emitir recomendações, a CIDH realiza conjuntamente uma tarefa de promoção dos direitos humanos. Isto porque é em razão de suas recomendações que a CIDH estabelece padrões internacionais de proteção aos direitos humanos que, quando implementados pelos Estados, garantem a difusão regional de uma cultura de direitos humanos.

A função da CIDH compreende as atividades de promoção e de tutela das vítimas e reparação das violações de direitos humanos. A função de proteção exercida pela CIDH, por meio da resolução de casos, é essencial para salvaguardar os direitos humanos na região. Longe de obstaculizá-la, o trabalho de proteção realizado atualmente contempla e informa a função de promoção.

A autonomia para decidir sobre a destinação dos seus próprios recursos é crucial para a atuação eficaz da CIDH em defesa dos direitos humanos na região.

Neste sentido, para que seja garantida a sustentabilidade da CIDH, com a garantia de que desenvolva suas atividades de maneira eficaz é necessário que os Estados se comprometam com o adequado financiamento das atividades da CIDH, de maneira equilibrada no que tange suas atividades de promoção e proteção igualmente. A contribuição financeira regular dos Estados e a autonomia da CIDH para gerir seu próprio orçamento são pontos fundamentais para resguardar a independência e a efetividade do Sistema Interamericano de Direitos Humanos.

A ONG internacional de direitos humanos Conectas (link < http://www.conectas.org/institucion… > manifestou no último dia três de janeiro de 2012 sua preocupação tendo solicitado, no dia 23 de dezembro de 2011, audiência à Secretaria Geral da Presidência da República, à Secretaria de Direitos Humanos e ao Itamaraty.

A intenção é pedir esclarecimentos ao governo brasileiro sobre posições que vem adotando no Grupo de Trabalho Especial criado para fortalecer o sistema, especialmente no que diz respeito ao fortalecimento da Comissão Interamericana de Direitos Humanos. Rio de Janeiro, Quatro de Janeiro de 2012 Jacob (J.) Lumier

Fonte Ciranda

No Comments

RSS

No comments yet.

Leave a comment