• guiding principles-pt

last modified September 5 by facilitfsm


Princípios Orientadores para a Organização de Eventos do FSM - versão 2008 


(adotado em plenário do Conselho Internacional em 24 de setembro em Copenhague) - será revisado anualmente 

esta é a versão de referência destinada a permanecer como está até a próxima revisão (ver documento em anexo)

você pode comentar a versão do blog   - ou editar a versão wiki do trabalho em andamento

Introdução


O Fórum Social Mundial é um espaço, uma plataforma para quem adere à sua Carta de Princípios (CoP). O Conselho Internacional e suas Comissões apenas orientam e ampliam os processos e eventos realizados no âmbito da CoP; não é um organismo de controle ou acreditação que pode sancionar e franquear eventos globalmente. 

A Carta de Princípios surgiu após a primeira assembleia do FSM em Porto Alegre em 2001. O evento anual continuou a ser realizado em Porto Alegre até 2003, antes de viajar para Mumbai em 2004. 
Até a viagem para Mumbai, a maioria das pessoas envolvidas na organização do evento e na compreensão das perspectivas políticas por trás dele eram geralmente as mesmas pessoas, principalmente os grupos brasileiros. Havia, portanto, certa coerência entre o evento e a CoP. Mas uma vez que pessoas de outras partes do mundo começaram a organizar os eventos - os eventos mundiais em Mumbai e Nairóbi, eventos continentais, eventos regionais e nacionais, naturalmente houve uma diversidade de abordagens na organização dos eventos, refletida pelas diferenças políticas e regionais realidades e entendimentos. 

Durante esses anos, porém, o FSM também evoluiu para uma espécie de 'marca'. É possível encontrar pessoas em todo o mundo realizando não apenas eventos estaduais ou provinciais, mas até eventos subprovinciais, anexando o rótulo FSM a eles. Onde isso pode de alguma forma significar a popularidade e o aprofundamento do processo FSM, também pode ser um motivo de preocupação, uma vez que não está claro que aqueles que realizam tais eventos o façam sob as diretrizes da Carta de Princípios, ou estão de fato cientes de que tal carta existe e a estudaram. 

Como o FSM não é uma organização ou instituição que tenha poderes e mecanismos de monitoramento, investigação ou sanção, o desafio é: como divulgar e aprofundar o processo FSM de forma que não se desvie de sua Carta de Princípios e defenda os princípios básicos dos quais foi derivado? Foram levantadas preocupações sobre algumas das decisões de organização até mesmo dos eventos mundiais, que de outra forma são tão visíveis. O que pode estar acontecendo em eventos nacionais ou subnacionais é, portanto, um motivo de preocupação. 

Para atender a essas preocupações expressas em diversas reuniões do CI, decidiu-se preparar um conjunto de diretrizes para a realização dos eventos FSM, como um complemento à Carta de Princípios, que é o que este documento pretende. 

Os Princípios Orientadores


1. Critérios para Participação:

Uma das questões básicas que se colocam na preparação de um evento FSM, em qualquer nível, é definir os critérios de participação. A inclusão é universal ou restrita? A carta de princípios enuncia os critérios de inclusão e exclusão da seguinte maneira: 

O Fórum é descrito da seguinte forma: 
“O Fórum Social Mundial é um contexto plural, diversificado, não confessional, não governamental e não partidário que, de forma descentralizada, inter-relaciona organizações e movimentos engajados em ações concretas em níveis de o local para o internacional para construir outro mundo. ” 

As exclusões são inerentes às seguintes definições:   
“O Fórum Social Mundial é um ponto de encontro aberto para o pensamento reflexivo, o debate democrático de ideias, a formulação de propostas, a livre troca de experiências e a articulação para uma ação efetiva, de grupos e movimentos da sociedade civil que opõem-se ao neoliberalismo e ao domínio do mundo pelo capital e a qualquer forma de imperialismo ... ” 
“ Nem representações partidárias nem organizações militares participarão do Fórum. Os líderes governamentais e membros do legislativo que aceitarem os compromissos desta Carta podem ser convidados a participar a título pessoal. ” 

“… .O Fórum Social Mundial busca fortalecer e criar novos vínculos nacionais e internacionais entre organizações e movimentos da sociedade, que, tanto na vida pública quanto na privada, aumentem a capacidade de resistência social não violenta ao processo de desumanização o mundo está passando e com a violência do Estado ... ”
 

Todas as organizações e redes que se inscrevem para o evento FSM têm que aceitar sua adesão à Carta de Princípios. O histórico de organizações que solicitam espaço em relação à casta, racismo, patriarcado e assim por diante; que não são necessariamente incluídos no termo 'neoliberalismo' também precisam ser levados em consideração 

A comissão organizadora de um evento pode buscar a ajuda e o apoio do Conselho Internacional, por meio de seu Grupo de Enlace ou das respectivas Comissões, quando não estiver claro para ela se uma determinada inscrição é aceitável ou não. 
  

2. Igualdade de acesso: 

Dada a grande disparidade nas organizações da sociedade civil, em termos de sua capacidade financeira, uso de línguas dominantes e outros recursos, a Carta de Princípios enfatiza a solidariedade e as iniciativas locais; que deve orientar os organizadores de eventos a fazerem esforços conscientes para garantir a igualdade de acesso ao espaço do FSM: 

“O Fórum Social Mundial é um processo que estimula suas organizações e movimentos participantes a situar suas ações, desde o nível local ao nacional e buscando participação ativa em contextos internacionais, como questões de cidadania planetária, e para introduzir na agenda global as práticas indutoras de mudanças que estão experimentando na construção de um novo mundo solidário ”. 

Esse princípio tem muitas implicações. Por exemplo, se o espaço em um evento do FSM está disponível apenas mediante pagamento em dinheiro, é provável que organizações ricas ocupem a maior parte dele. Se as taxas de inscrição forem muito altas, isso impedirá a participação de organizações de base. Essas organizações vindas de fora também podem não ser capazes de pagar nem mesmo os hotéis baratos na cidade local. 

Portanto, torna-se imperativo que os organizadores de um evento garantam: 

  • Que eles trabalhem como facilitadores.
  • Que haja o máximo de diversidade na participação, especialmente de movimentos e organizações sociais de base; e o espaço é disponibilizado para eles mesmo sem qualquer pagamento, se necessário.
  • Que a maioria das atividades, senão todas, são auto-organizadas; e não há hierarquia em tais atividades.
  • Que organizações ricas não cercam todos os espaços. Se necessário, é definido um limite para a quantidade de espaço que qualquer organização pode contratar.
  • As taxas de inscrição são mantidas em cascata, permitindo inclusive a entrada gratuita para os grupos locais que não podem pagar.
  • Arranjos adequados para água potável, latrinas, etc. são feitos e é tentada a permanência subsidiada ou gratuita de ativistas de base. Alimentos e água baratos ou subsidiados estão disponíveis para eles no local.
  • As necessidades linguísticas de tais ativistas recebem a máxima atenção.
  • Espaço adequado é fornecido para seus modos de expressão e articulação, que podem ser em uma variedade de formas culturais, ao invés de palestras e conferências.
  • Que as mulheres participam em grande número.
  • Que o local seja construído de forma que seja amigável para pessoas com deficiência e que elas sejam incentivadas a participar.


3. Local: 

Embora possa haver uma variedade de fatores restritivos na escolha de um local, a escolha deve refletir a consciência sobre a agenda política subjacente de um evento do FSM. A abordagem não pode ser a de uma empresa de gerenciamento de eventos comerciais. Estilos de vida, níveis de conforto e estética têm fortes ligações com culturas, economias e identidades e, portanto, estão ligados a processos políticos mais amplos.

Embora os padrões variem de continente para continente e de país para país, ainda assim, em cada local, as dimensões culturais e políticas da escolha existem, que precisam ser levadas em consideração. Por exemplo, é preciso tomar uma decisão consciente em relação ao uso excessivo de ar-condicionado ou métodos de aquecimento inúteis, pois eles estão intrinsecamente ligados às escolhas de estilo de vida impulsionadas pelo mercado em um mundo cada vez mais deficiente em energia e em aquecimento global.

Considerações semelhantes devem ser feitas ao transporte de e para o local do evento, às condições ambientais - sacos plásticos e garrafas, uso excessivo e impróprio de papel, uso de materiais recicláveis ​​e assim por diante, e níveis de limpeza e higiene. Seria altamente desejável tornar o espaço para a duração do evento em um 'comum', ao qual não apenas o comitê organizador, mas todas as organizações participantes têm uma responsabilidade na forma de uso, manutenção e conservação. 

O farm out de serviços no local, para alimentação, água, saneamento, comunicações etc. deve ser feito de forma totalmente transparente e aberta, com controle de preços e garantia de igualdade de acesso. Deve ser assegurado que os contratos não sejam dados a empresas e instituições pertencentes a políticos corruptos, criminosos e elementos indesejáveis.    

Em particular, espaço de destaque deve ser dado ao comércio justo e economia solidária 

4. Fundos: 

Os recursos totais de um evento são compostos da seguinte forma 

  • Criado pelos organizadores de fundações e outras agências
  • Arrecadado por meio de registro e outras taxas, para espaço etc.
  • Criado pelos grupos participantes para seus eventos, viagens etc.


Estamos aqui preocupados com os dois primeiros, mas eles têm uma relação com o terceiro componente. A principal despesa da comissão organizadora deve ser na preparação do espaço e local, com todas as instalações, incluindo traduções. No entanto, o comitê organizador também pode decidir realizar uma série de atividades. Quanto maior o número de atividades que o comitê organizador realiza, maior será o seu gasto e também bloqueará mais tempo e espaço que poderiam ser utilizados pelos participantes. Uma das decisões importantes que o comitê organizador deve tomar é o número de atividades que realizará; reduzi-los reforçará a auto-organização das atividades no evento do fórum e implicará no repasse de tempo, espaço e, portanto, gastos para as organizações participantes. 

Levantar fundos de fundações, etc. é o principal recurso. Mas é profundamente político, uma vez que em cada região e país, pode haver opiniões divergentes quanto à conveniência de se levantar fundos de uma fonte de financiamento particular ou diferente. Seguindo a Carta de Princípios, entretanto, pode-se concluir que as fontes que são campeãs do neoliberalismo devem permanecer excluídas, a saber: Instituições Financeiras Internacionais, agências comerciais multinacionais e corporações, e fontes com ligações conhecidas com drogas, máfia e crime. Outra categoria excluída seriam as taxas de patrocínio de empresas privadas para permitir que elas anunciem ou vendam produtos no local, que é uma forma clássica de arrecadar fundos no paradigma neoliberal. 

As áreas cinzentas são fundos de governos e empresas do setor público. Pode-se argumentar que, como os fundos do governo vêm principalmente dos contribuintes, os cidadãos têm o direito de acessá-los, independentemente do tipo de governo no poder em um determinado momento em um determinado país. A cautela é que, ao acessar recursos governamentais, o evento FSM não pode perder sua autonomia e não deve ser visto como sequestrado pelo partido no poder, pois isso seria contra a Carta de Princípios. Algumas empresas do setor público poderiam estar alinhadas com as forças de resistência e obter-se-ia apoio delas. Mas aqui também o cuidado seria avaliar o histórico de uma determinada empresa do setor público, uma vez que muitas delas também são multinacionais, e sua atuação em seu próprio país e em outros países - ambiental, uso da terra, poluição etc.às vezes pode ser um motivo de preocupação. 

Levantar dinheiro com registros, uso de espaço e instalações pode ser uma fonte importante. Mas deve-se garantir que essas taxas não atuem como barreiras tarifárias para manter as organizações e ativistas menos ricos do lado de fora, e uma estrutura sensata em cascata que pode até permitir acesso e uso gratuitos para os mais carentes precisa ser implementada. 

Uma forma possível de garantir igualdade e solidariedade seria que todas as organizações participantes contribuíssem (não apenas as Fundações) para um fundo comum de solidariedade, dependendo de suas capacidades. O comitê organizador poderia então alocar subsídios adequados e instalações residenciais, alimentares como parte dos bens comuns para aqueles que deles precisarem. 

Os orçamentos consolidados do evento FSM devem ser divulgados nos sites do FSM em até três meses após o evento, para transparência e memória. 

Os princípios de financiamento descritos aqui são elaborados em separado nas Diretrizes para Mobilização de Recursos.    

5. Formação de um Comitê Organizador: 

Inclusão, diversidade, base ampla e um processo que leva à formação de um comitê organizador, em vez de algumas pessoas ou organizações formarem primeiro um comitê organizador e depois buscarem a participação de outros, estariam no espírito da Carta.

Isso envolve colocar em prática um processo de mobilização e consulta em toda a região / país em que o evento será realizado, e formar o comitê no culminar de tal processo. A comissão organizadora deve promover um funcionamento aberto e não deve agir de cima para baixo. Deve ficar claro que o comitê não é o chefe de uma organização, mas um órgão facilitador, criado para promover uma atividade específica por um determinado período de tempo. 


Entre as principais tarefas do Comitê Organizador, como organização do local e logística, o comitê deve estar atento à formação de comissões e grupos funcionais adequados e amplos para a realização de tarefas diversas, envolvendo profissionais como arquitetos, pessoal de TI, artistas, cinema -makers etc., garantem a captação de voluntários nacional e globalmente, asseguram conexões de mídia e divulgação adequadas, uma ampla consulta para decidir sobre temas e eixos que fornecem conexões horizontais para movimentos e grupos, e atenção adequada à documentação impressa e audiovisual para fins de memória .   

Em particular, a mobilização de voluntários deve ser vista como um processo de alcance político e não como um meio de usar mão de obra barata. 

6. Compromissos gerais dos comitês organizadores:

O FSM é um espaço onde surgem propostas e experimentos de alternativas ao mundo, em contraposição àquelas propostas ou reforçadas pelo neoliberalismo. Nesse sentido, a organização de um evento FSM deve colocar em prática as alternativas descritas na CoP: “defender o respeito aos Direitos Humanos, as práticas da democracia real, a democracia participativa, as relações pacíficas, na igualdade e na solidariedade, entre as pessoas, etnias, gêneros e povos, e condena todas as formas de dominação e toda sujeição de uma pessoa pela outra ”.

O compromisso com a igualdade entre mulheres e homens é fundamental para a construção deste outro mundo. Implica, em particular, que nenhuma forma de violência será tolerada nas dependências do evento FSM e será dado apoio, para aqueles que se apresentarem para denunciar tais ocorrências, em particular as mulheres. 

Implica também que o espaço do FSM proporcionaria dignidade, respeito e um sentimento de igualdade às pessoas de cor, indígenas, dalits e pobres.


7. Eventos locais do FSM: 

Muitos eventos nacionais e subnacionais do FSM ocorreram nos últimos anos. Embora a Carta de Princípios afirme que “O Fórum Social Mundial é um processo mundial; Todas as reuniões que acontecem nesse processo têm uma dimensão internacional ”, nem sempre fica claro que tipo de dimensão internacional tais Fóruns podem trazer. Mas desde o FSM e seu slogan 'Outro mundo é possível' tornaram-se amáveis de nomes de 'marcas', talvez grupos locais sintam que têm mais visibilidade e credibilidade chamando algo de 'FSM'.

Uma vez que não pode haver monitoramento de tais eventos, e nenhuma 'autoridade' pode dar 'permissão', ainda pode ser obrigatório que os grupos que realizam eventos (qualquer tipo de evento, exceto o evento Mundial) devem garantir que seis meses antes do evento real , informam por e-mail ou correio comum o processo FSM nacional do país (se houver, aplicável apenas para eventos subnacionais), e a secretaria do Fórum Social Mundial sobre sua intenção de realizar tal evento.

Isso irá, pelo menos, garantir o compartilhamento de informações entre pares e contribuições que a Secretaria ou o Grupo de Enlace possam fornecer aos comitês organizadores. Uma vez que o nome FSM pode enganar os patrocinadores de eventos locais, eles podem ser solicitados a verificar com os organizadores se eles, os organizadores, cumpriram este requisito de, pelo menos, informar a Secretaria do FSM sobre seu próximo evento ou não.


8. Espaço para interconectividade horizontal das organizações: 

O impacto do Fórum Social Mundial deve se tornar visível por meio de ações concretas após um evento. O próprio FSM, não sendo uma organização, não pode se envolver nessas ações. São principalmente os movimentos, que estão engajados nessas ações de forma sustentada, que podem levar adiante as agendas de ação que traçam nos eventos do FSM. 

Considerando que o FSM deve fornecer uma plataforma para troca de idéias, palestras, oficinas, palestras e assim por diante, o resultado das ações concretas dependeria muito do grau de interconexão alcançada pelos movimentos com o uso do espaço do FSM.   
Os organizadores fornecerão espaços. e métodos para (grupos) de organizações se prepararem para tornar visíveis os resultados de sua participação no evento e estimulá-los a desenvolver seus resultados após o evento 

Essas considerações se aplicam tanto aos espaços físicos durante o evento quanto aos espaços virtuais antes e depois do evento, em particular usando sites de “processo” disponíveis no contexto do FSM. 

Isso também garantiria uma 'resistência de baixo' subalterna ao neoliberalismo e imperialismo. Consequentemente, torna-se imprescindível que os organizadores e o CI, durante a elaboração de um determinado evento, prestem a devida atenção para facilitar as assembleias, tribunais e outras formas de interconexão horizontal dos diferentes movimentos, concebendo temas e eixos adequados, como também nas decisões quanto à distribuição de espaço, subsídio e assim por diante. 

Todos os esforços devem ser feitos pelos organizadores para garantir que um evento FSM atue como um catalisador para as forças de ação direta para potencializar e integrar ainda mais suas ações, e que não possa ser reduzido a um mero talk-shop.    

 9. Tradução, idiomas, comunicação


Promover a diversidade no evento FSM é uma decisão política, mas também apresenta desafios, por exemplo, no caso das línguas. A presença de muitas línguas no evento do FSM deve ser vista como uma necessidade política, e as formas de enfrentar esse desafio também devem ser políticas e não meramente técnicas. 

O comitê organizador deve refletir a tempo sobre as necessidades linguísticas / de tradução e interpretação do FSM. As medidas e decisões necessárias devem ser tomadas com bastante antecedência em relação ao Fórum, a fim de obter traduções eficientes e acessíveis em todos os eventos do fórum, a fim de ter tratamento igual para todos os movimentos participantes e levar em consideração as necessidades das línguas minoritárias 

A maior atenção deve ser dada pela comissão organizadora aos processos de comunicação, intercomunicação e documentação antes, durante e após o evento, com objetivos de mobilização e qualidade na preparação e realização das atividades auto-organizadas no evento, e a eficácia dos seus resultados . 
Em particular: 

Antes do evento: Criar espaços inclusivos, físicos e online, para grupos de trabalho vinculados à comissão organizadora que prepara o evento. Estimular as organizações que desejam realizar atividades no evento para fazer o upload nos sites disponibilizados no contexto do FSM, a fim de auxiliar a colaboração entre as atividades auto-organizadas. Fornece maneiras para as organizações que registram atividades no site do evento para vincular claramente a esses espaços associados. 

Durante o evento: disponibilizar um media center em bom funcionamento, total apoio aos meios de comunicação sem fins lucrativos e alternativos estimulando-os a partilhar a produção da cobertura, disponibilizar o máximo de acesso à internet para os participantes, e também infra-estrutura e apoio às organizações estabelecendo interconexões com grupos organizados que estão dispostos a participar remotamente do evento.   

Após o evento: Estimule as organizações participantes a publicar os resultados de sua participação no site do evento e crie espaços para desenvolver mais interconexões e colaborações em torno desses resultados